Dia da Toalha! - Resenha: O Guia do Mochileiro das Galáxias

Feliz dia da toalha, mochileiros! Se você já conhece a franquia O Guia do Mochileiro das Galáxias, sabe do porquê que hoje, dia 25 de Maio, é comemorado o dia da toalha. Se você não tem ideia do que eu estou falando... Bem... Leia esse post. Mas antes de tudo, não entre em pânico!



O Guia do Mochileiro das Galáxias (que durante o post será abreviado para HHGTTG, por conta do título original) é uma série de ficção científica com teor cômico criada por Douglas Adams. As obras já deram
origem a seriados, jogos, programas de rádio e TV... Mas aqui vamos dar ênfase nos livros e no filme.
Como o autor diz sobre os livros: É uma trilogia de cinco, mas vamos falar sobre o primeiro, que deu nome a franquia, O Guia do Mochileiro das Galaxias.



Tudo começa em uma quinta feira, no quintal da casa de Arthur Dent. Como ele nunca teve muita sorte nas quintas feiras, a manhã dele começa agitada: Com o governo querendo derrubar sua casa para construir um desvio.
Tentando impedir, Arthur resolve deitar em frente aos tratores, até seu amigo Prefect Ford chegar e convencê-lo a ir em um pub tomar um chopp, porque precisa conversar com ele urgentemente. Ford conta a ele que na verdade ele não é desse planeta, mas sim de um lugar chamado Betelgeuse (se pronuncia Beetlejuice. Mais alguém aí lembrou do filme do Tim Burton?), e que o mundo vai acabar em aproximadamente 12 minutos.



A partir daí, HHGTTG vira a história mais peculiar e irônica que você já conheceu. A Terra é destruída, e Arthur e Ford pegam carona em uma nave chamada Coração de Ouro, que foi roubada pelo presidente da galáxia, Zaphood Beeblebrox. A nave tem ainda como seus tripulantes Tricia McMillan, garota que Arthur conheceu em uma festa, se apaixonou, mas que foi embora com Zaphod porque ele disse que era de outro planeta e Marvin, um pequeno robô mal humorado que não vê nada de bom na vida.
Com a obra, aprendemos qual a resposta e o sentido da vida. Daí descobrimos que, bem... é 42. Aí percebemos que às vezes algumas perguntas são mais importantes que as respostas.

Mas, Adriana, por que "dia da toalha"?
Bem... Para que você entenda o por quê do nome, leia esse trecho do livro:


"Segundo O Guia do Mochileiro das Galáxias, a toalha é um dos objetos mais úteis para um mochileiro interestelar. Em parte devido a seu valor prático: você pode usar a toalha como agasalho quando atravessar as frias luas de Beta de Jagla; pode deitar-se sobre ela nas reluzentes praias de areia marmórea de Santragino V, respirando os inebriantes vapores marítimos; você pode dormir debaixo dela sob as estrelas que brilham avermelhadas no mundo desértico de Kakrafoon; pode usá-la como vela para descer numa minijangada as águas lentas e pesadas do rio Moth; pode umedecê-la e utilizá-la para lutar em um combate corpo a corpo; enrolá-la em torno da cabeça para proteger-se de emanações tóxicas ou para evitar o olhar da Terrível Besta Voraz de Traal (um animal estonteantemente burro, que acha que, se você não pode vê-lo, ele também não pode ver você -estúpido feito uma anta, mas muito, muito voraz); você pode agitar a toalha em situações de emergência para pedir socorro; e naturalmente pode usá-la para enxugar-se com ela se ainda estiver razoavelmente limpa.

Porém o mais importante é o imenso valor psicológico da toalha. Por algum motivo, quando um estrito (isto é, um não-mochileiro) descobre que um mochileiro tem uma toalha, ele automaticamente conclui que ele tem também escova de dentes, esponja, sabonete, lata de biscoitos, garrafinha de aguardente, bússola, mapa, barbante, repelente, capa de chuva, traje espacial, etc, etc. Além disso, o estrito terá prazer em emprestar ao mochileiro qualquer um desses objetos, ou muitos outros, que o mochileiro por acaso tenha “acidentalmente perdido”. O que o estrito vai pensar é que, se um sujeito é capaz de rodar por toda a Galáxia, acampar, pedir carona, lutar contra terríveis obstáculos, dar a volta por cima e ainda assim saber onde está sua toalha, esse sujeito claramente merece respeito."


O gênio criador da franquia, Douglas Adams


Mas... por que hoje?
Porque foi o dia em que o h2g2, comunidade virtual, fundada em abril de 1999, com o intuito de construir um manual para a vida, o universo e tudo o resto fez sua primeira homenagem a Douglas Adams.

Adaptação Cinematográfica

O filme contou com a direção de Garth Jennings e, na minha opinião, o cara mandou bem. O filme ficou bem fiel aos livros, fora o elenco, que na minha humilde opinião, foi muito bem escolhido. Martin Freeman (O Hobbit) mandou muito bem como Arthur, Mos Def (16 Quadras) deu vida a Ford e Sam Rockwell (Homem de Ferro 2) a Zaphood Beeblebrox. Mas admito que minha participação favorita foi a de Zooey Deschanel, como Tricia McMillan. O jeito louco e peculiar próprio da atriz deu um "ar a mais" que a personagem precisava.



A franquia conta com mais quatro livros, O Restaurante no Fim do Universo; A Vida, o Universo e Tudo Mais; Até Logo e Obrigado pelos Peixes; Praticamente Inofensiva. Assim que eu terminar de ler todos, posto sobre eles aqui.

Copyright © 2012, All rights reserved. Under CC 2.5 Brazil License.

Get the Pixels, desenvolvido por Adriana Amaral