Filmes | Análise - Guardiões da Galáxia.


Fazia muito tempo em que não conhecíamos alienígenas tão carismáticos.



 Esse aguardado longa metragem já foi tema de um post aqui no Blog/Site em que tentei dizer, baseado na divulgação e pessoas envolvidas com o projeto, o que poderíamos esperar do filme. Dê uma olhada aqui.
E retorno para dizer que estava 99% correto. Do mesmo modo que o filme se passa 99% no majestoso, vivo e colorido espaço. E isso com certeza é um dos maiores acertos!

Antes de começar a ler essa análise, é obrigatório o play no vídeo abaixo:





ALERTA DE SPOILERS!

 A essa altura do campeonato a maioria já deve ter conferido o filme, alguns até mais de uma vez (como eu. Qual é! É impossível só ver uma vez! rs), mas não custa nada avisar aos que ainda não viram. Bom a história começa com a pequena participação do nosso planeta, em que vemos o pequeno Peter Quill (Cris Pratt) passando pela dura perda da mãe, admito que não esperava uma cena tão triste logo de cara, além de observarmos momentos importantes que serão retomados ao final da projeção. Como a motivação necessária da "união de fato" dos Guardiões para derrotar o vilão e a origem do codinome "Senhor das Estrelas". Alguns minutos depois conferimos o jovem Senhor das Estrelas (Starlord/Peter Quill) sendo abduzido e aí temos a fantástica abertura do Marvel Studios. Momento em que muitos desinformados descobrem que o filme se encontra no grandioso Universo Cinematográfico Marvel. Inclusive nas sessões em que fui sempre ouvia comentários nessa parte do tipo: "Ué é da Marvel também?". Pra se ter uma ideia do pioneirismo e ousadia do Estúdio com esse projeto. E é exatamente o momento em que a HQ em movimento começa nas telas, porque até ali parecia um filme normal.


 Prosseguindo, somos levados para o outro lado do universo, literalmente, elevando ao máximo o sentido da frase que Nick Fury diz ao Stark no fim de seu primeiro filme: "Você acha mesmo que é o único super herói do mundo? O senhor faz parte de um universo maior. Só não sabe disso ainda." Então se prepare para uma overdose de universo cósmico da Marvel! Temos os Krees, que são bem importantes nas HQs, sendo a guerra Kree vs Skrull uma das mais famosas. O curioso é que no filme isso foi trocado por uma guerra entre os Krees e os Xandarianos, graças aos direitos dos Skrulls estarem vinculados ao Quarteto Fantástico que é propriedade da Fox nos cinemas. Além da Miss Marvel ou Capitã Marvel atualmente, estar totalmente ligada aos Krees. Na verdade um em particular o Capitão Mar-Vell (Universo 616 ou clássico da editora) ou Mahr Vhel (Universo Ultimate da editora). Bom, não importando a versão dos personagens, o nome não deixa de ser conveniente hein? rs. Além de tudo isso é mostrado a Tropa Nova, os Poderosíssimos Celestiais, uma explosão de "Easter Eggs" na coleção do Colecionador, as Gemas do infinito e com elas claro que THANOS! Finalmente dando as caras e deixando claro quem será o maior Supervilão desse universo cinematográfico.

Um vislumbre do Universo Cósmico da Marvel que começou a ganhar vida nos cinemas.
Reparem na TROPA NOVA no canto esquerdo e em THANOS no centro.



Carol Danvers - A Capitã Marvel, antiga Miss Marvel.

Capitão Mar Vell (Universo 616)
                      
Capitão Mahr Vhel (Universo Ultimate)

   Ainda por cima, a raça Kree pertence a nada mais nada menos que o Supervilão da história, o imponente e acusador Ronan (Lee Pace). Depois que somos apresentados ao Peter Quill, 26 anos no futuro em relação ao prólogo que se passava em 1988, protagonizando uma das melhores aberturas de um filme do gênero recentemente. Ao som de "Come and Get your Love" dos Redbone e o título do longa saltando na tela preenchendo ela quase toda de forma extravagante enquanto o personagem canta e dança ao fundo, já percebemos o "tom" do restante da obra. E é exatamente aí que você compra a ideia e se diverte ou não. Bom, ele está a procura de uma esfera bem valiosa e consegue ela depois de escapar de Korath (Djimon Hounsou) e seus capangas, que estão a serviço de Ronan. Depois acaba tentando esconder a informação de Yondu Udonta (Michael Rooker/The Walking Dead/um dos primeiros Guardiões da primeira formação das HQs) tenta vendê-lo em Xandar, mas quando o Xandariano fica sabendo que Ronan também está atras da Orbe, ele imediatamente desiste da compra pela fama de louco e assassino do Kree.


Michael Rooker, de The Walking Dead, interpretando Yondu. No filme ele é retratado como um saqueador e mercenário espacial sem escrúpulos, um pouco diferente dos quadrinhos. Porém a flecha guiada por assobio, a cor e um pouco do moicano foram mantidos, ou seja, uma ótima adaptação.
Yondu dos quadrinhos, um dos primeiros membros das primeiras formações dos Guardiões da Galáxia. Uma equipe que vinha do século XXXI. O curioso do personagem é que ele era uma versão de índio moicano espacial. Utilizava um arco e flecha e outros itens, cuja flecha era guiada por assobio. Característica mantida no filme com ênfase em uma cena bem estilosa envolvendo vários soldados de Ronan.


 No mesmo momento Gamora (Zoe Saldana) é enviada para recuperar o que Korath perdeu enquanto Rocket Raccoon (Bradley Cooper) e Groot (Vin Diesel) também entram na história a procura de recompensas e acabam achando uma bem gorda pela cabeça do Senhor Das Estrelas colocada por Yondu devido a "traição". A partir desse momento já vemos a ótima "química" da futura equipe, por exemplo, é quase impossível não curtir um pouco ao ouvir o Rocket dizendo: "Isso... se contorce mesmo aí.." depois de eletrocutar Starlord. A Tropa Nova acaba capturando todos esses criminosos e mandando para uma prisão bem pesada no meio de meteoritos. É nesse lugar em que os nossos heróis/bandidos intergalácticos se unem por um objetivo em comum: Escapar dali e acabar salvando a galáxia.
Ronan O Acusador. Interpretado por Lee Pace,
 o Thranduil de O Hobbit.





Ronan das HQs.                                                   
Lee Pace



 Depois de conseguirem escapar e tentarem vender a Orbe para o Colecionador (Benicio Del Toro) em "Luganenhum" ( A cabeça de um Celestial), eles acabam descobrindo que se trata na verdade de uma joia do infinito. E após presenciarem o poder de destruição que ela tem, logo resolvem impedir que ela caia nas mãos de Ronan pois a galáxia estaria condenada. A Trama é simples? sim, é. Mas é essa sua maior vitória, não se levar tão a sério e nem tentar ser tão complexa. O que faz o roteiro ficar bem amarrado e se desenvolver de forma orgânica tendo como base seus personagens, eles fazem o negócio funcionar. Coisa que muitos blockbusters não conseguem atualmente, as vezes por tentarem ser mais sérios e complexos do que deveriam ou só se basearem em efeitos especiais esquecendo dos personagens que deveriam ser os protagonistas como o nome já diz. Aqui todos conseguem ser carismáticos, até mesmo Drax o destruidor (Dave Bautista) que a maioria achava que seria apenas os músculos do grupo, com a sua incapacidade de compreender metáforas ele acaba arrancando risadas até do espectador mais sério. Como:

Rocket: " A raça dele não entende metáforas, entra por um ouvido e sai pelo outro."

Drax: "Nada entra em meus ouvidos, meus reflexos são muito rápidos eu impediria."


 Além da risada histérica que sempre faz quando começa a bater e destruir seus inimigos ou quando ele, Quill e Gamora entram na nave inimiga, batendo e atirando em tudo. Ele sempre fica gargalhando e gritando um "YES!". Ou seja, apesar do tamanho e do jeito machão ele parece ter uma grande criança interior e com isso um bom coração. A mesma coisa ocorre com a Gamora, ele é conhecida como a maior assassina da galáxia, foi criada pelo impiedoso THANOS (Josh Brolin) junto com a Nebula (Karen Gillan), perdeu sua família como o Drax, mas mesmo assim se importa com as vidas inocentes em Xandar que serão dizimadas com a joia do infinito.

Nebula ou "Nebulosa" interpretada por Karen Gillan.
 A atriz raspou a cabeça só para viver a irmã adotiva de Gamora.

Karen Gillan




 Os personagens são bem equilibrados, todos tem seu brilho e história própria, além de um trabalho de maquiagem magnífico como a da Nebula e do Drax. Mas é o Rocket Raccoon (Bradley Cooper) e Groot (Vin Diesel), dois personagens completamente digitais que acabam chamando mais atenção. Claro que o visual ajuda, a curiosidade de ver uma árvore humanoide e um guaxinim falante interagindo é grande, e o desafio maior ainda para a equipe de CGI, porém a surpresa vem quando nos deparamos com bem mais que isso. Groot mostra que apesar do jeito inocente pode ser brutal quando precisa ser e que ainda diz muito mais que apenas "Eu sou groot". Palavras que Rocket  e o espectador mais atento entendem o real significado dependendo da situação. Na cena do "Nós somos Groot" é impossível não se emocionar.



  Rocket também demonstra uma profundidade inesperada, na cena em que fica bêbado e briga com Drax ele diz ao público o porquê de ser tão arrogante e canalha, é porque ninguém o leva a sério. Sempre zombando e o chamando de coisas do tipo: "verme", "Hamster", "olha que engraçado um guaxinim falante", o que curiosamente é a reação da maioria das pessoas. Nesse cena ele ainda fala:

"Eu não pedi pra ser criado! Não pedi para me desmantelarem e ficarem me combinando denovo, denovo e denovo como uma espécie de Monstro!... Quero ver vocês ainda rindo de mim com uns cinco ou seis tiros no meio da cara!"


 Poxa! Esse é um tipo de humanização extremamente forte, explorada de uma forma sutil no meio de uma película assumidamente mais divertida e leve. E que faz todos se importarem com o personagem. Ele quer provar que não é apenas um Guaxinim de Trabuco nas mãos, é mais que isso. Por isso a cena em que salva as vidas de uma mulher e uma criança em Xandar, ou quando lidera as naves dos mercenários contra as naves/bombas de Ronan salvando dezenas de vidas, tem um significado bem maior. É um ato de Super Heroísmo do mais puro chegando a quase ser uma redenção.




  E o que dizer do Senhor das Estrelas (Cris Pratt)? O Tony Stark espacial, no sentido de carisma e até um certo anti heroísmo. No caso do Starlord, anti heroísmo total. Ou como a crítica em geral está comparando, o novo Han Solo. É impressionante como o Sr Pratt conseguiu transformar seu líder dos Guardiões da Galáxia em um cara totalmente cafajeste e estiloso. Além de ser a conexão do público com esse mega universo cósmico que foi aberto.


Cris Pratt e sua incrível transformação física para encarnar o saqueador galáctico e líder dos Guardiões.
Starlord das HQs - Variação de uniforme

Starlord das HQs - Variação de uniforme
 Um filme te surpreende quando ele entrega mais coisas positivas do que você esperava, logicamente. Mas esse triunfo dos Rolling Stones da Marvel como o próprio diretor, Sr. Gunn declarou em uma entrevista meio antiga em que comparava seu grupo com o do Sr. Whedon (Os Vingadores), é devido ao seu ar descompromissado e facilmente confundido com paródia por alguns. E também pelos personagens completamente desconhecidos, o que dá uma liberdade bem maior.
 A cena em que Ronan é distraído pela dança do Starlord ao som de O-o Child - The Five Stairsteps é genial e hilária porque todo o clima da película foi levado até aquele momento. Se algo parecido com isso ocorresse em Capitão América - O Soldado Invernal por exemplo, seria ridículo porque não combinaria com o clima que havia sido construído desde o início, ou seja, uma trama mais politizada e "pé no chão".  Além do fato desse momento e também aquele em que Starlord tem um flashback de sua mãe no meio de um cenário espacial bem colorido e estranho se encaixar perfeitamente com o estilo do diretor. Algo do tipo: "Hey Mister Gunn! Sabia que faria algo desse tipo! hehe"
 E falando em estilo não podemos esquecer do Howard que apareceu pra fechar com chave de ouro:



Howard o Pato - Criado por Steve Gerber e Val Mayerik


Garota Esquilo - Criada por Will Murray e Steve Ditko
Será que já podemos esperar ela também para a sequência? rs

     Nunca vá ver algo sem saber mais ou menos do que se trata. Vá "preparado" para aquilo. Se todos fizessem isso o mundo seria um lugar bem melhor para viver. Se for ao cinema, procure saber quem é o diretor, se é baseado em algo, é continuação? Reboot?. Se for jogar veja qual o estilo do jogo, quem são os produtores. O mesmo vale para HQs e livros. "Quem é esse roteirista? o que ele fez?" "O que esse cara quer me passar com essa história? Qual o "tom" desse filme/HQ/livro/Seriado?". Se você fizer isso e for de cabeça aberta, com certeza aproveitará e se divertirá bem mais. E caso não conheça nada mas for tentar extrair algo de positivo ou que no mínimo te agrade, vale também. Muitos amigos que se consideram cinéfilos, alguns estudantes de cinema e vários críticos que são bem seletivos com o tipo de diretor e filmes que assistem não concordam com esse tipo de pensamento. Mas aí já é aquela questão de como o mundo seria chato se todos tivessem o mesmo tipo de pensamento e gosto.
 Como fui conferir Guardiões com esse raciocínio as únicas coisas que não me agradaram foram:
1º: A Gamora não ter aparentado ser tão letal e perigosa em relação a sua fama das HQs;
2º: O fim de Ronan, por ter sido um vilão bem poderoso e promissor que poderia ser usado em outras continuações cósmicas desse universo cinematográfico.
E 3º: O Rocket não ter sido tão canalha e nem ter roubado o filme como eu esperava, o que não chega a ser um defeito é na verdade um ponto positivo. Todos ficaram equilibrados. E espera aí.. ele foi bem babaca sim. Ficou fazendo piadas com pobres alienígenas aleijados! rsrs. E é aí que meus 1% se encontram, porque todo o restante foi incrivelmente satisfatório!

  Então caso esteja á procura de um legítimo filme de HQs, no sentido de mundos e personagens extravagantes com um roteiro bem amarrado, uma ótima e divertida ficção/fantasia ou um Blockbuster de qualidade, Guardiões da Galáxia é mais que recomendado!  

  
  Aproveite o Bluray/Bluray3D/DVD que acaba de ser lançado (junto com essa resenha super atrasada rs) com vários extras e até uma prévia de Age of Ultron:




 E se desejar ser mais Hardcore adquira isso:

 

 E como foi afirmado no começo dessa análise o Universo Cósmico Cinematográfico da Marvel acaba de ganhar vida com Guardiões. Que é confirmada com a fase III nos cinemas com nada mais nada menos que 4 filmes cósmicos e mais o Doutor Estranho seguindo quase na mesma linha espacial.
  Confira a lista completa aqui:http://www.getthepixels.com.br/2014/10/marvel-anuncia-os-titulos-e-datas-de.html

 Tudo isso para chegarmos ao clímax máximo de um universo de quadrinhos de super heróis nas telas: Vingadores - Guerra do Infinito parte 1 e 2.
 Depois disso meus amigos, qualquer Nerd poderá morrer em paz. E caso permaneça vivo, o que vier é lucro. rs

THANOS e sua manopla do infinito - Imagem do Teaser Trailer de Avengers Infinity War.
É isso ai ainda falta quase 4 anos para o lançamento mas já tem Teaser Trailer. rs




Copyright © 2012, All rights reserved. Under CC 2.5 Brazil License.

Get the Pixels, desenvolvido por Adriana Amaral