Filmes | 3 Filmes com a Direção de Fotografia incrível!

Se eu fosse trabalhar com cinema, sem dúvidas a minha área seria a Direção de Fotografia. Um filme com a cinematografia bem trabalhada é a certeza de que eu vou assistir até o fim.

Sou apaixonada por fotografia, e apesar de não ser nenhuma especialista em cinema, selecionei 3 dos meus filmes favoritos no quesito cinematografia para postar aqui.
Mas antes de tudo... O que é a Direção de Fotografia?

A Direção de Fotografia é a parte da produção cinematográfica onde o roteiro é transformado em imagens. Nessa parte é trabalhada a iluminação, enquadramento, elementos de cena, quais lentes são apropriadas... Como a fotografia propriamente dita, afinal cada frame de um filme é como uma foto. É a visão estética da cena.

Agora sim, vamos para os filmes:

Moonrise Kingdom (Moonrise Kingdom) - Wes Anderson, 2012:
Diretor de Fotografia: Robert D. Yeoman



Eu me identifico muito com o Wes Anderson. Sou bem metódica com enquadramentos (além de ter um TOC e querer tudo alinhado e certinho) e adoro filmes com cores fortes, e isso resume bastante os trabalhos do diretor. Seus filmes são fáceis de serem identificados, com cores bem saturadas, enquadramentos metódicos e sempre com o horizonte perfeitamente alinhado e sempre bem simétricos. É meio que a "assinatura" do diretor.





Sinopse: Anos 60, em uma pequena ilha localizada na costa da Nova Inglaterra. Sam (Jared Gilman) e Suzy (Kara Hayward) são duas crianças que se sentem deslocadas e que se conhecem em uma peça teatral, e que começaram a trocar cartas regularmente. Um dia, resolvem deixar tudo para trás e fugir juntos. O que não esperavam era que os pais de Suzy (Bill Murray e Frances McDormand), o capitão Sharp (Bruce Willis) e o escoteiro-chefe Ward (Edward Norton) fizessem todo o possível para reencontrá-los.

Inception (A Origem) - Christopher Nolan, 2010:
Diretor de Fotografia: Wally Pfister



Inception tem uma fotografia bem louca - E que inclusive foi merecedora do Oscar de Melhor Fotografia no ano em que concorreu. O mais impressionante é que como Nolan preferiu alguns métodos mais convencionais para os efeitos especiais, o filme tem cerca de apenas 500 cenas com efeitos especiais - Número baixo se comparado com os filmes atuais mais épicos, que possuem cerca de 1500 a 2000.

Uma das minhas cenas favoritas no quesito cinematografia é quando Cobb e Ariadne estão em um bistrô e acontece uma explosão. Para essa cena, Pfister usou 6 câmeras de alta velocidade, o que resultou em uma cena incrível.



Outra curiosidade é que nas cenas onde a física dos sonhos fica caótica, foi usado um corredor capaz de girar 360º construído pelo desenhista de produção Guy Hendrix Dyas, o supervisor de efeitos especiais Chris Corbould e por Pfister, baseado em uma técnica usada no filme 2001: Uma Odisséia no Espaço, de Stanley Kubrick.





Sinopse: Em um mundo onde é possível entrar na mente humana, Cobb (Leonardo DiCaprio) está entre os melhores na arte de roubar segredos valiosos do inconsciente, durante o estado de sono. Além disto ele é um fugitivo, pois está impedido de retornar aos Estados Unidos devido à morte de Mal (Marion Cotillard). Desesperado para rever seus filhos, Cobb aceita a ousada missão proposta por Saito (Ken Watanabe), um empresário japonês: entrar na mente de Richard Fischer (Cillian Murphy), o herdeiro de um império econômico, e plantar a ideia de desmembrá-lo. Para realizar este feito ele conta com a ajuda do parceiro Arthur (Joseph Gordon-Levitt), a inexperiente arquiteta de sonhos Ariadne (Ellen Page) e Eames (Tom Hardy), que consegue se disfarçar de forma precisa no mundo dos sonhos.

Shutter Island (Ilha do Medo) - Martin Scorsese (2010)
Diretor de Fotografia: Robert Richardson



Quando penso em cinematografia, penso em uma cena específica de Shutter Island. A fotografia desse filme é ótima. Consegue fazer uma ótima imersão do espectador na história, e ao mesmo tempo que trabalha com uma beleza assustadora, o filme tem uma atmosfera noir. Até mesmo os movimentos suaves da câmera enfatizam o suspense em momentos da história, principalmente durante os diálogos.

Logo no início já descobrimos que é perseguido por lembranças traumáticas que presenciou na Segunda Guerra Mundial, encerrada nove antes, e da perda de sua mulher, Dolores, morta num incêndio em sua própria casa. Logo, durante o filme, são feitas narrativas "adicionais", onde elementos do passado são mostrados e, na minha opinião, é quando a cinematografia do filme é mais bela.




É um filme onde tudo flui em perfeita sincronia: a história, a fotografia e a trilha sonora. Na minha opinião, é também um bom exemplo de um filme com efeito Rashomon (mas como eu havia dito não sou especialista no assunto, então não sei se realmente pode ser considerado ou não).

Sinopse: 1954. Teddy Daniels (Leonardo DiCaprio) investiga o desaparecimento de um paciente no Shutter Island Ashecliffe Hospital, em Boston. No local, ele descobre que os médicos realizam experiências radicais com os pacientes, envolvendo métodos ilegais e anti-éticos. Teddy tenta buscar mais informações, mas enfrenta a resistência dos médicos em lhe fornecer os arquivos que possam permitir que o caso seja aberto. Quando um furacão deixa a ilha sem comunicação, diversos prisioneiros conseguem escapar e tornam a situação ainda mais perigosa.

Esses são 3 dos meus filmes favoritos na categoria Direção de Fotografia. E você, tem mais alguma sugestão de filmes que deveriam entrar para essa lista?

Copyright © 2012, All rights reserved. Under CC 2.5 Brazil License.

Get the Pixels, desenvolvido por Adriana Amaral