Scream, o seriado baseado em Pânico - Vale a pena?

Essa semana entrou no catálogo da Netflix mais um de seus seriados originais - Scream, o seriado baseado na franquia de terror do Wes Craven.
A franquia de filmes é um clássico, então nem há muito o que falar sobre. Já o seriado vale a pena abordar um pouco mais, afinal, é novidade.



Criado por Dan Dworkin e Jay Beattie, o seriado começa com um episódio de cyber-bullying onde logo após ocorre um assassinato a sangue frio. No entanto, o assassinato é similar a uma série de assassinatos que ocorreram no mesmo lugar há 20 anos atrás. No entanto, até onde se sabe, o assassino está morto. Teria ele voltado ou alguém estaria tentando ocupar seu lugar?

Os protagonistas são um grupo de adolescentes estudantes do ensino médio. Até onde se sabe, todos são suspeitos e qualquer um pode se tornar a próxima vítima.



Na minha opinião, é um seriado que vale a pena. No entanto, não é apenas uma adaptação de Pânico, mas sim uma adaptação voltada aos tempos atuais. Afinal, pasmem, o primeiro filme da franquia já tem quase 20 anos. Então esperem várias referências a redes sociais, smartphones, etc.



No entanto, o seriado trás várias características da franquia original, como a metalinguagem e o assassino atrás de uma máscara (por mais que a clássica máscara tenha mudado). Os personagens são bem clichês, um grupo de adolescentes do subúrbio não muito convincentes. Ainda não assisti a temporada inteira, então espero que a história do assassinato não vire apenas um "plano de fundo" para um seriado adolescente (até porque infelizmente lá fora a série é transmitida pela Mtv).

A premissa do seriado é boa, não dá para negar. E a série já foi até mesmo renovada, a segunda temporada já está garantida para o ano que vem. Na minha opinião vale a pena sim, seja para quem está apenas procurando um bom seriado ou para quem já gosta da franquia, afinal, como eu disse várias características da franquia estão presentes e são bem notáveis.

Copyright © 2012, All rights reserved. Under CC 2.5 Brazil License.

Get the Pixels, desenvolvido por Adriana Amaral